Carros novos mais caros? A culpa é do novo protocolo de emissões WLTP

É verdade que as vendas no segmento automóvel têm vindo a crescer, mas tal cenário poderá mudar em breve. A culpa é da nova norma de emissões poluentes que entrará em vigor em breve.

A subida no imposto poderá rondar os 40 a 50%, o que levará ao aumento significativo do preço dos veículos novos.

Até setembro de 2017, o Novo Ciclo de Condução Europeu (NEDC) – a referência desde 1990 – foi o protocolo de homologação em vigor. Este ciclo de homologação tornou-se obsoleto porque não acompanhou as evoluções da tecnologia automóvel. Por isso, o protocolo WLTP substituirá progressivamente o NEDC.

Na prática, estes protocolos de homologação consistem num conjunto de testes obrigatórios que certificam a conformidade regulamentar de todos os novos veículos que chegam ao mercado. Os testes são realizados em laboratório e efetuados por organismos independentes

Novo protocolo de homologação WLTP

Chama-se WLTP ou Worldwide harmonized Light vehicles Test Procedure (Procedimento de Teste Global harmonizado para Veículos Ligeiros) e visa determinar de forma mais fidedigna os níveis de CO2, consumo de combustível, no caso dos veículos com motor de combustão, ou consumo de energia nos veículos elétricos, emissões poluentes, etc.

Diferenças entre o NEDC e WLTP

São várias as diferenças entre a norma NEDC e WLTP. Por exemplo, o ciclo de condução com o formato WLTP, tem uma duração 30 minutos enquanto o NEDC era de apenas 20 minutos. As velocidades dos testes são também mais elevadas com o protocolo WLTP, comparativamente ao NEDC. A distância percorrida também passa de 11 para 23 km.

NEDC2 em setembro e WLTP já em 2019

A partir do dia 1 de setembro deste ano, entrará em vigor um ciclo ajustado transitório designado de NEDC2. A partir de 1 de janeiro de 2019 todos os veículos terão de apresentar os valores de consumos e emissões de acordo com o protocolo WLTP.

Com a entrada deste novo protocolo de medição das emissões poluentes, o preço do imposto sobre veículos poderá subir, o que significará também um aumento no valor final do veículo. Sabe-se também que existirá um aumento médio nas emissões de 10 a 11%. Por exemplo, um modelo que emite 100 gramas de CO2 (avaliado com o protocolo NEDC2), passará a emitir 111 gramas de CO2 com o protocolo WLTP. Com base nos valores, a subida do imposto poderá subir entre 40 a 50%.

Via

Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.
Ler Artigo Original

Share

Também pode gostar de...

%d bloggers like this: