A Apple vai combater as fake news com programas de literacia na Europa

A nova iniciativa da Apple chega à Europa e aos Estados Unidos com o intuito de promover o pensamento crítico nos mais jovens. Além disso, quer sensibilizar e educar a população para a metodologia do fact-checking ou verificação dos factos. Assim sendo, temos aqui uma iniciativa de combate à iliteracia digital.

A dificuldade na interpretação daquilo que se lê na internet é uma das principais alavancas das fake news.

O anúncio foi feito hoje pela tecnológica de Cupertino através de uma publicação no seu site. Em primeiro lugar, esta é a mais recente aposta da empresa no tocante às notícias, surgindo também no rescaldo da sua rejeição pelo Washington Post, bem como pelo New York Time que não quiseram integrar o hub Apple News.

A Apple quer combater as fake news, também na Europa

O serviço de agregação de notícias da Apple não convenceu duas das maiores e mais respeitadas publicações norte-americanas. Uma decisão que surge no meio de uma crise de identidade no setor, bem como em plena crise das fake news. Agora já numa fase em que os leitores começam a estar atentos a este fenómeno global.

A nova iniciativa de combate às fake news aplicar-se-á também à Europa. No seu âmago traz a necessidade de ensinar a nova geração a ler e a interpretar aquilo que lê na Internet. Além disso, pretende também alertar para os perigos de conteúdo viral que veicule informação falsa ou não confirmada.

Apple Fake news Europa

Em suma, a Apple vai providenciar os recursos necessários para que três instituições coloquem em prática o novo programa de educação. Sendo elas a News Literacy Project (NLP), a Common Sense, bem como o Osservatorio Permanente Giovani-Editori, na Itália. Este último será o responsável pelo programa na Europa.

A iniciativa já tem repercussão nos Estados Unidos

Ao mesmo tempo, na nação norte-americana a NLP já promove uma iniciativa similar através dos seus cursos online. Chama-se “Checkology” e, por exemplo, ensina os formandos a confirmar os fatos em diversos cenários e diversos veículos de informação. Um programa que já foi finalizado por mais de 124 mil alunos.

Assim, a nova iniciativa da Apple encontra já um público-alvo ciente da sua importância e recetivo a novas formações dentro da área. Por fim, de acordo com as declarações de Tim Cook, CEO da Apple, esta iniciativa nunca foi tão importante e necessária como agora.

A literacia, aplicada às notícias, é vital para manter a imprensa livre, bem como uma democracia triunfante. Assim, estamos orgulhosos por colaborar com várias organizações que estão na linha da frente neste esforço. – Tim Cook

O combate às fake news e a população mais jovem

A falta de competências literárias, ou de literacia pela geração mais jovem é uma preocupação para todo o país. As recentes revelações em torno da manipulação das notícias (fake news) e o seu impacto na sociedade alertaram-nos para o problema. Além disso, entendemos a real escala deste problema. – James P. Steyer, fundador e CEO da Common Sense.

Apple Fake news Europa

Assim sendo, o fomento da Apple ao combate às fake news passará por atacar a raíz do problema. Ao reconhecer que sem literacia digital e hábitos literários, não sabemos distinguir o verdadeiro do falso. Em suma, será um esforço que visará despertar a atenção e espírito crítico dos mais jovens.

Só assim e a partir daí, é que será possível colocar um travão às fake news. Um dos flagelos que assola a sociedade atual, não só nos Estados Unidos da América, mas também na Europa. Por fim, a Apple não está sozinha nesta preocupação com as notícias falsas.

Google e Facebook querem combater as “fake news” nas próximas eleições

Rui Bacelar

Desenvolveu desde cedo o gosto pela escrita e comunicação. Em leis formado, tem como hobbies a aquariofilia e a música. Mas é na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e no Pplware a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.
Ler Artigo Original

Share

Também pode gostar de...

%d bloggers like this: